Comunicado Final do XII Encontro das Igrejas Lusófonas

27 Set, 2016

  1. De 23 a 27 de setembro estivemos em Aparecida, Brasil, no XII Encontro de Bispos dos Países Lusófonos, procurando, no dizer do nosso regulamento interno, «fortalecer a comunhão eclesial e a recíproca complementaridade, promover a cooperação em prol das comunidades e a fidelidade à identidade católica lusófona e criar espaço para aprofundar o conhecimento mútuo entre as Igrejas católicas dos países lusófonos»:
  • de Angola, D. Filomeno Vieira Dias, Arcebispo de Luanda e Presidente da Conferência Episcopal de Angola e S. Tomé (CEAST), e D. António Jaka, Bispo do Caxito e Secretário da CEAST;
  • do Brasil, Sérgio da Rocha, Arcebispo de Brasília e Presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), D. Murilo Sebastião Krieger, Arcebispo de São Salvador da Bahia e Vice-Presidente da CNBB; D. Leonardo Ulrich Steiner, Bispo Auxiliar de Brasília e Secretário da CNBB; Cardeal Raymundo Damasceno Assis, Arcebispo de Aparecida, e P. Deusmar Jesus da Silva, Assessor da CNBB;
  • de Cabo Verde, Cardeal Arlindo Gomes Furtado, Bispo de Santiago;
  • da Guiné Bissau, D. Pedro Carlos Zilli, Bispo de Bafatá;
  • de Moçambique, D. Lúcio Andrice Muandula, Bispo de Xai-Xai, em representação da Conferência Episcopal de Moçambique (CEM);
  • de Portugal, Cardeal Manuel Clemente, Patriarca de Lisboa e Presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), P. Manuel Barbosa, Secretário da CEP, e Dr. Jorge Líbano Monteiro, Presidente da Fundação Fé e Cooperação (FEC);
  • de S. Tomé e Príncipe, D. Manuel António dos Santos, Bispo de S. Tomé e Príncipe.

 

  1. Os trabalhos tiveram início com palavras de saudação e acolhimento do Presidente da CNBB, D. Sérgio da Rocha, e do Arcebispo de Aparecida, D. Raymundo Damasceno, que nos situou no contexto desta Arquidiocese, em particular do seu Santuário que é uma referência nacional, religiosa e mariana, e deste Seminário do Bom Jesus que nos acolhe, e que teve como ilustres hóspedes Santa Paulina, São João Paulo II, Bento XVI e o Papa Francisco.

 

  1. Ocupámos o primeiro dia do encontro a partilhar os principais desafios e questões da realidade social e eclesial de cada país, com destaque para as experiências pastorais mais significativas. Desta partilha específica e plural, queremos insistir nalgumas constatações e desafios mais comuns:
  • preocupação pela instável situação social, política e económica em quase todos os países, com consequências na vida dos cidadãos, famílias e instituições;
  • necessidade de diálogo com as instâncias políticas e governamentais, procurando sempre defender os valores essenciais ligados à vida humana e ao bem comum, à democracia e aos direitos humanos, valores tão significativos na doutrina social da Igreja;
  • condenação das situações de corrupção, de exploração dos mais pobres, do tráfico de seres humanos;
  • maior incentivo à cooperação, intercolaboração e solidariedade entre as Igrejas dos países lusófonos;
  • promoção do diálogo ecuménico e inter-religioso, na busca comum da paz e da tolerância, da segurança e do bem-estar;
  • importância das universidades católicas na formação de agentes pastorais e na qualificação profissional de inúmeras pessoas competentes nas várias áreas de atividade da sociedade;
  • maior atenção às vocações na Igreja (matrimónio, sacerdócio e vida consagrada), cuidando mais particularmente da sua promoção, acompanhamento e formação;
  • relevância do dinamismo evangelizador e missionário da Igreja, com uma participação mais efetiva dos leigos na vida da Igreja e dessa forma conseguindo estar presente na vida quotidiana;
  • compreensão de uma Igreja inculturada, que dê resposta às questões locais;
  • atenção às questões económicas da sustentação do clero, apontando como possíveis caminhos o reforço do dízimo e o fundo de apoio diocesano;
  • insistência da iniciação cristã como vida em Cristo, para a formação na fé e o crescimento de autênticas comunidades missionárias.

 

  1. A Encíclica Laudato Si’ do Papa Francisco foi acolhida pelas nossas conferências episcopais como uma reflexão inovadora e uma mais valia para a plena compreensão da ecologia, despertando a nossa atenção para a importância do cuidado da casa comum e suas implicações na ação pastoral. Da análise da realidade sugerimos alguns desafios:
  • urgência desta temática em fazer parte da iniciação cristã e da formação contínua na perspetiva da integralidade da vida e da conversão ecológica, assumindo a nossa responsabilidade de sermos guardiões da obra de Deus;
  • importância quer do diálogo ecuménico e inter-religioso quer do diálogo com políticos, profissionais, universidades e meios de comunicação social, para melhor cuidar da nossa casa comum;
  • necessidade de colocar a pessoa e o cuidado das relações pessoais e familiares na vivência da ecologia integral;
  • compreensão da natureza no seu todo como hino de louvor, ação de graças e contemplação;
  • educação ecológica para a sobriedade e a partilha face a uma sociedade de consumo e de lucro;
  • educação para a harmonia com a natureza e para a beleza da Criação;
  • necessidade de ganhar consciência ecológica face a realidades como a questão do lixo e do desperdício de alimentos, o uso dos plásticos, a poluição ambiental, a deflorestação de grandes áreas com o consequente avanço dos desertos, etc.;
  • partilha de informações e estudos, reflexões e itinerários catequéticos sobre a ecologia entre as nossas conferências episcopais.

 

  1. Recebemos a exortação apostólica Amoris Laetitia do Papa Francisco na sua essencial afirmação da alegria do amor no matrimónio e na família como dom e graça do amor de Deus. Salientámos a beleza da fundamentação bíblica, teológica e espiritual da família no texto da exortação. Pela consistência da proposta global para a família, destacámos a importância de este documento ser lido e compreendido no seu todo. Da nossa reflexão referimos algumas linhas de orientação e desafios:
  • propor o Evangelho da família e a pastoral do vínculo face a outros modos e conceitos de família e como resposta a uma cultura de descarte e de um mundo em desagregação;
  • considerar a família cristã como critério pastoral para a comunidade/paróquia como família de famílias;
  • cuidar da preparação dos presbíteros, desde o tempo do seminário, para acompanhar a pastoral familiar;
  • acolher, preparar e acompanhar as famílias em todas as fases e processos;
  • atender mais a problemas como a poligamia e os casamentos com disparidade de culto;
  • elaborar diretórios ou catecismos para a família;
  • discernir novos paradigmas que partam sempre do Evangelho, responsabilizando bispos, padres, consagrados e leigos;
  • partilhar reflexões, estudos e iniciativas sobre critérios pastorais para a pastoral familiar entre as nossas conferências episcopais.

 

  1. Demos o nosso apoio unânime ao acordo das conferências episcopais do Brasil e Portugal sobre a tradução do Missal Romano, junto da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos, para que se mantenham as fórmulas sacramentais e a resposta «Ele está no meio de nós» à saudação «o Senhor esteja convosco».

 

  1. Sobre a suspensão do uso da língua portuguesa nos processos de postulação das causas dos santos pela Congregação para as Causas dos Santos, queremos manifestar o nosso lamento e preocupação por esta decisão que, além de contrariar a Instrução «Sanctorum Mater» de 17 de maio de 2007, vai dificultar e encarecer o bom andamento dos processos de canonização com origem nos países de expressão portuguesa. Desejamos que a língua portuguesa, a quinta língua mais falada do mundo por 260 milhões de pessoas, continue a ser utilizada nos processos de canonização.

 

  1. Acolhemos a partilha de várias iniciativas: conclusões do Fórum Cáritas Lusófonas, realizado em Brasília em novembro de 2015; projetos de cooperação entre as Igrejas Lusófonas, pela Fundação Fé e Cooperação; modos diversos de ensino da religião e moral nos vários países; situação das universidades católicas; ligação das associações profissionais ás conferências episcopais;

 

  1. Participámos com alegria na celebração da Eucaristia dominical no Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida, em comunhão com o Cardeal Raymundo Damasceno e os peregrinos que acorreram ao Santuário, assim como na visita guiada ao Santuário.

 

  1. Exprimimos a nossa gratidão e regozijo por três relevantes acontecimentos jubilares que vão decorrer em 2017: a celebração dos 300 anos de Nossa Senhora Aparecida, no Brasil; o Centenário das Aparições em Fátima, Portugal; a comemoração de 150 anos de presença dos Missionários Espiritanos em Angola e Portugal; a celebração dos 40 anos da diocese de Bissau com a realização do seu primeiro Sínodo Diocesano.

 

  1. O XIII Encontro de Bispos dos Países Lusófonos vai decorrer na Praia, Cabo Verde, de 27 a 29 de abril de 2018.

 

  1. Finalmente, queremos exprimir a nossa profunda gratidão, nas pessoas de D. Sérgio da Rocha, Presidente da CNBB, e de D. Raymundo Damasceno, Arcebispo de Aparecida, pelo caloroso acolhimento fraterno que a Igreja do Brasil teve para connosco.

 

Que Nossa Senhora Aparecida, Padroeira do Brasil, no seu poder e bondade, interceda por todos os nossos países e nos ajude a viver na misericórdia de Deus.

 

Aparecida, Brasil, 27 de setembro de 2016

VÍDEOS

 

FOTOS

 

Últimas notícias…

FEC lança projeto “Nô Cirbe Nô Povo”

FEC lança projeto “Nô Cirbe Nô Povo”

No dia 30 de maio, em Gabú, a FEC fez a apresentação oficial do projeto “Nô Cirbe Nô Povo – Capacitação da Administração Local para o Desenvolvimento Económico e Social”. Daniele Oliveira, gestora do projeto, e Francisco Pereira, Delegado Regional do Plano e...

read more
Share This