Histórias de Mudança – Christophe Nothomb – GASAP

20 Jan, 2017

Christophe Nothomb
Rede GASAP – Groupe d’Achat Solidaire de l’Agriculture Paysanne – Grupo de Compras Solidárias de Agricultura Camponesa

Repensar o consumo para um sistema alimentar mais justo, saudável e sustentável

Podemos sempre fazer alguma coisa para contribuir para a mudança que queremos ver no mundo. Por exemplo, na forma como consumimos os nossos alimentos. Christophe Nothomb, conta-nos a sua experiência em coordenar uma rede solidária de grupos de consumidores, ou compradores – como se autonominam, em Bruxelas (Réseau des GASAP) e como esta história de mudança inspiradora nos desafia a questionar os nosso padrões de consumo.

Uma das coisas que sempre intrigou Christophe Nothomb, é a quantidade de escolha que temos todos os dias quando vamos a uma loja ou supermercado. Sabemos que não é a realidade de todos no mundo, e “é perturbador ver [como] uma quantidade terrível de resíduos é [muitas vezes] produzida”. A forma como consumimos e produzimos a nossa comida hoje na Europa, observa Christophe, não é sustentável. Mas existem várias maneiras de nós, cidadãos, agirmos para reverter estas inclinações, ao mesmo tempo em que fomentamos a solidariedade e o cuidado com o meio ambiente.

O rede GASAP (Groupe d’Achat Solidaire de l’Agriculture Paysanne – Grupo de Compras Solidárias de Agricultura Camponesa) é um grupo de compra solidário, que procura criar ligação entre produtores e consumidores numa relação de apoio e compromisso mútuos. Geralmente é um grupo de vizinhos, entre 15 a 25 pessoas, que se compromete a comprar parte da produção de um agricultor biológico local. Enquanto o agricultor local providencia alimentos cultivados de forma sustentável através de métodos biológicos e agroecológicos, os consumidores asseguram que o agricultor obtém uma receita sustentável (estável e conveninente) para a sua produção. A iniciativa também permite que interações valiosas e significativas aconteçam, à medida que os membros do grupo se organizam, partilham dicas, receitas e informações e promovem a comunidade. “Também aumenta a nossa consciência sobre a realidade dos produtores, que muitas vezes é difícil, e faz nos perceber que podemos ter um impacto real na sua qualidade”, acrescenta Christophe.

Quando pensa em como a sua participação num GASAP e na coordenação da rede o transformaram, Christophe sublinha que, como indivíduo, se tornou mais consciente do impacto real das suas escolhas, tanto no ambiente como naqueles que produzem os nossos alimentos. “Fez-me perceber o quão importante é olhar para onde são produzidos os alimentos, como são produzidos e qual é a pegada ecológica que deixam no meio ambiente; já não compro as coisas da mesma maneira”.

Uma alternativa é possível. O primeiro GASAP foi lançado em Bruxelas há cerca de 10 anos, em 2006. Hoje existem mais de 90 grupos de compra solidários espalhados por toda a cidade. “Vemos que os grupos se vão difundindo lentamente, seguindo um tipo de efeito bola de neve, que faz parte de um movimento global e diversificado com diferentes iniciativas e propostas para sistemas alternativos de produção e abastecimento de alimentos”.

Confrontarmo-nos com a realidade dos produtores e assumirmos o risco de mudar os nossos hábitos individuais no que se referem à alimentação, ajuda-nos a perceber o verdadeiro poder que temos nas nossas mãos. Poder esse que, como cidadãos, nos permite reunir, organizar e assim contribuir para mudar a trajectória do mundo.

Descubra mais sobre a rede GASAP em: www.gasap.be

Histórias de Mudança

Mudança de estilos de vida – quando mudei? porque mudei? desafio-te a…Estas foram as questões de partida lançadas pelo projeto Juntos pela Mudança para a realização de dez histórias de vida, ao longo dos últimos meses, sob a responsabilidade da realizadora Patrícia Pedrosa.

Histórias de Mudança – Maria Meneses

Maria Meneses, 27 anos Apaixonada pela vida e em busca da liberdade Aos 25, descobriu que havia um nome para o que vive: sustentabilidade Devido a graves complicações no parto, a Maria nasceu com paralisia cerebral. Os médicos chegaram a pedir aos pais para se...

Histórias de Mudança – Dulcineia Carvalho

Dulcineia Carvalho, Licenciada em filosofia, bibliotecária, voluntária, casada Nasceu em S. Tomé e Príncipe e veio para lisboa há 8 anos Tem uma alegria contagiante, bem disposta por natureza, sensível aos outros, à natureza e aos seus ritmos, bem como aos ritmos...

Histórias de Mudança – Teresa Nazareth

Teresa Nazareth Investigadora em Saúde Pública Teresa Nazareth, Investigadora em Saúde Pública e mãe nasceu no Porto e vive em Lisboa há 6 anos. (Pre)ocupada com o mundo, sobretudo desde o nascimento do Bernardo. Sempre foi atenta e atenciosa para com o mundo, mais ou...

Histórias de Mudança – Pe. Joaquim Samuel Ribeiro Guedes

Joaquim Samuel Ribeiro Guedes 50 anos, 22 deles ao serviço do concelho de Paços de Ferreira Padre e empreendedor social Samuel Guedes, ainda antes de ser ordenado padre, já tinha trabalhado na Secretaria Geral da Diocese do Porto e sido, também, Notário do Tribunal...

Histórias de Mudança – Alfredo Sendim

Alfredo Cunhal Sendim 50 anos, 25 deles na Herdade do Freixo do Meio Essencialmente Agricultor Alfredo Sendim, em Portugal, tinha sempre vivido em Lisboa e era um apaixonado pelo mar - a sua ligação à terra era inexistente. Queria entrar em Oceanografia mas acabou por...

Últimas notícias…

FEC lança projeto “Nô Cirbe Nô Povo”

FEC lança projeto “Nô Cirbe Nô Povo”

No dia 30 de maio, em Gabú, a FEC fez a apresentação oficial do projeto “Nô Cirbe Nô Povo – Capacitação da Administração Local para o Desenvolvimento Económico e Social”. Daniele Oliveira, gestora do projeto, e Francisco Pereira, Delegado Regional do Plano e...

read more
Share This