O compromisso dos jovens católicos na COP 24 lança a esperança pela justiça climática e os direitos humanos

3 Jan, 2019

Por  CIDSE, Caritas Internationalis, MCGC
cop24 igreja laudato si’ justiça climática

Delegados católicos no dia espiritual em Katowice na COP24

Delegados católicos no dia espiritual em Katowice na COP24

Um grande grupo de jovens voluntários católicos congregou-se lateralmente às negociações das NU sobre o clima para desenvolver as suas próprias respostas à crise do clima.

Instituições católicas globais de grande relevo convocaram um encontro internacional de activistas católicos coincidindo com as conversações das NU sobre o clima, na Polónia. O encontro explorou histórias pessoais das linhas da frente da crise climática e trouxe uma resposta católica dos participantes. À Caritas Internationalis e à Arquidiocese de Katowice, onde as conversações tiveram lugar, juntaram-se na convocação do evento a Caritas da Polónia, os Franciscanos Internacionais, e o Movimento Católico Global pelo Clima

Oradores da linha da frente da crise incluíram Mercy Chirambo, Livelihoods and Climate Adaptation Officer no CADECOM (Caritas Malawi). O Malawi está em risco de inundações e secas severas devido às alterações climáticas. Chirambo referiu “tal como os lideres das Nações Unidas se reúnem, é também importante que nós os católicos nos encontremos. São as nossas vidas que estão em risco quando o mundo aquece. A nossa fé ensina-nos a cuidar uns pelos outros e isto também se aplica às alterações climáticas.”

Chiara Martinelli, Conselheira Executiva do CIDSE e uma das organizadoras do encontro disse “Tantos jovens se juntaram hoje, renovando a esperança no movimento pelo clima. O seu compromisso mostra que todos podemos ser agentes de mudança nas nossas próprias vidas e fazer a diferença começando pelas nossas comunidades. Os católicos estão a vencer a distância na luta pela justiça climática; eles juntam a sua força a partir do amor pela Terra, uns pelos outros e da certeza que estão a fazer o que é correcto.”

Uma Missa e um encontro com o Arcbispo de Katowice, Msgr. Wiktor Paweł Skworc, fizeram parte do programa e motivaram os voluntários, criando uma ligação com a igreja local. Depois de renovar o seu compromisso de fé, os participantes ouviram as histórias uns dos outros, partilharam as suas experiências de “conversão ecológica” e fizeram compromissos concretos para um estilo de vida sustentável e uma justiça climática.

Delegados católicos à COP24 com o Arcebispo de Katowice; © Rosie Heaton

Delegados católicos à COP24 com o Arcebispo de Katowice; © Rosie Heaton

Os compromissos partilhados pelos participantes foram, por exemplo: “estar sempre consciente do meu papel como parte da criação e cuidar dos outros à minha volta”, “propagar a mensagem da Laudato Si’ e da conversão ecológica a tantos jovens quantos eu puder”, ou ainda “comprar e andar mais de bicicleta” ou “comer menos carne” e “inspirar a mudança e fazer ouvir a voz dos pobres”.

Os participantes reflectiram sobre a solidariedade com os povos afectados pelas alterações climáticas. Susannah do povo Sáminuorra da Suécia disse: “Nós ganhamos forças para o comprometimento por estarmos juntos e pelo apoio mostrado por pessoas que partilham as nossas preocupações; por não sermos os únicos a lutar e a sofrer. Também por sabermos que indo à frente podemos inspirar outros a fazer o mesmo.”

Ativistas de toda a Europa aprenderam uns com os outros durante o dia espiritual © Rosie Heaton

As mensagens de solidariedade dos participantes para os vulneráveis são especialmente relevantes no Dia dos Direitos Humanos, 10 de Dezembro, que este ano coincidiu com o 70º aniversário da  Declaração Universal dos Direitos do Homem. Esta ocorrência é muito significativa, lembrando a todos – em especial às Partes em negociação nestas conversações do clima – que as alterações climáticas são uma ameaça para os meios de subsistência e o gozo de direitos humanos, tal como o direito a comida, água, saúde e habitação adequadas. Por outro lado, as medidas adoptadas pelos governos para encarar as alterações climáticas, devem assegurar que os direitos humanos são cumpridos. Por exemplo, a participação pública significativa das comunidades afectadas é essencial em todas as etapas (criação, implementação e avaliação) das políticas e programas para o clima.

Apenas com uma semana até ao fim conferência sobre alterações climáticas, os voluntários esperam que a COP24 encerre com compromissos substanciais de solidariedade com as populações mais vulneráveis afectadas pelas alterações climáticas e com um plano claro e ambicioso para a implementação do Acordo de Paris.

Entre 6 a 10 de Dezembro de 2018, uma delegação de 100 jovens voluntários juntou-se em Katowice para uma “Ágora” organizada pela campanha da CIDSE sobre estilos de vida sustentáveis: “Change for the Planet – Care for the People”. Mais informação sobre as actividades da CIDSE durante a COP24 em Katowice pode ser encontrada aqui.

Últimas notícias…

Formação de Agentes Educativos em Moçambique

Formação de Agentes Educativos em Moçambique

Decorreu, entre 6 e 10 de maio, uma semana de formação pedagógica intensiva para todos os Jardins de Infância da cidade de Lichinga, na província do Niassa, Moçambique - uma capacitação que resulta da parceria entre a Direção Provincial de Género, Criança e Ação...

read more
FEC organiza Olimpíadas da Língua Portuguesa em Bissau

FEC organiza Olimpíadas da Língua Portuguesa em Bissau

No dia 8 de maio, no Centro Cultural Português, em Bissau, teve lugar 1.ª edição das Olimpíadas da Língua Portuguesa, uma atividade organizada pela FEC e integrada na Semana da Língua e da Cultura na CPLP. Com o objetivo de promover o estudo e a aprendizagem da língua...

read more
Share This