Teatro e Direitos Humanos

19 Jan, 2019

Teatro e Direitos Humanos

by Lígia Roque

Este Luso Fonias é dedicado ao teatro e aos Direitos Humanos. A convite da associação angolana Mosaiko, a actriz e encenadora Lígia Roque esteve em Luanda no final de 2018, para facilitar uma formação de teatro aos jovens do bairro de Viana, tendo como pano de fundo a promoção dos Direitos Humanos. Hoje vamos saber como foi esta experiência.

Na opinião do P. Tony Neves – ‘Do sínodo às Jornadas Mundiais da Juventude’

“O Panamá acolhe, de 22 a 27 de janeiro, as Jornadas Mundiais da Juventude com o Papa Francisco. Este evento pretende dar mais visibilidade e corpo aos objetivos do Sínodo dos Jovens, como ficou conhecido. Convocado pelo Papa, este Sínodo foi um caminho longo percorrido por muita gente. Houve um questionário on-line. Aconteceu uma inédita Reunião pré-sinodal. Foi produzido um ‘Instrumento de Trabalho’. Depois, aconteceu a Assembleia Sinodal, de 3 a 28 de outubro, em Roma. Foi escrita a ‘Carta dos Padres Sinodais aos Jovens’. Por fim, saiu em várias línguas, o Documento Final.Novidades? O tamanho: são 3 partes com 4 capítulos cada…um total de 167 números. O fio condutor é o texto do aparecimento de Cristo ressuscitado aos discípulos de Emaús (Lc.24, 13-35). A I Parte é para contar o que foi dito no Sínodo como ponto da situação acerca dos jovens, da sua vocação e Missão na Igreja. A II parte apresenta já algumas chaves de leitura. A III parte avança propostas concretas sobre a Missão dos jovens no futuro.

Apresento alguns recortes colados para motivar à leitura integral.

O Documento começa com uma afirmação forte: ‘A escuta é um encontro de liberdades’(nº6).Passa para a influência das tecnologias da comunicação: ‘A internet e as redes sociais são uma praça onde os jovens passam muito tempo e se encontram facilmente(…). Estes meios constituemuma extraordinária oportunidade de diálogo, encontro e permuta entre pessoas(…), lugar de participação socio-política e de cidadania ativa’ (nº22). Mas tem um lado obscuro: ‘é território de solidão, manipulação, exploração e violência (cyberbullying) (nº23), ‘operam no mundo digital gigantescos interesses económicos(…). A proliferação das ‘fake news’é expressão de uma cultura que perdeu o sentido da verdade e manipula os factos para interesses particulares’ (nº24).

Refere que‘ainda mais numerosos no mundo são os jovens que sofrem formas de marginalização e exclusão social, por razões religiosas, étnicas ou económicas’ (nº42).Os jovens caminham muito em direção às periferias, ‘inserindo nos processos sociais a inspiração dos princípios da doutrina social da Igreja: a dignidade da pessoa, o destino universal dos bens, a opção preferencial pelos pobres, o primado da solidariedade, a atenção à subsidiariedade, o cuidado da casa comum’ (nº127).Um dos sinais dos tempos é o do serviço de voluntariado:‘muitos jovens estão empenhados ativamente no voluntariado e encontram no serviço o caminho para encontrar o Senhor. A dedicação aos últimos torna-se, assim, realmente uma prática da fé’(nº137).

Há importantes questões ecológicas, na linha da Laudato Si: ‘os jovens empenhados na política devem ser apoiados e encorajados a trabalhar para uma real mudança das estruturas sociais injustas’ (nº154).

O Documento conclui com uma palavra de homenagem:‘escutar os testemunhos dos jovens presentes no Sínodo que, no meio de perseguições, escolheram partilhar a paixão do Senhor Jesus,foi regenerante’ (nº167).

Desejo que as Jornadas Mundiais da Juventude, no Panamá, rasguem novos caminhos ao futuro dos jovens.”

Tony Neves

Últimos programas

Redes Sociais

Redes Sociais

As redes sociais passaram a fazer parte da nossa vida diária. No computador ou no telemóvel, partilhamos ideias e momentos, comentamos notícias e procuramos emprego. As redes sociais, como o Facebook ou o Instagram, ajudam-nos a manter o contacto com amigos que estão...

Refugiados

Refugiados

No dia 20 de junho, assinala-se o Dia Mundial do Refugiado. Um dia em que se presta homenagem à resistência de todos os que foram obrigados a fugir de suas casas por motivos de perseguição, calamidades ou guerra. Em 2018, morreram mais de dois mil refugiados só no Mar...