O nosso trabalho

“Devemos falar o que pensamos, sem ofender e com sensibilidade. No primeiro debate (…) estava também um soba e a comissão de moradores. Mas houve troca de ideias, sem ofender. O local, as pessoas que dirigem o debate, um local da Igreja Católica, dá-nos segurança (…) aqui estamos mais à vontade. Quando duas pessoas vão a caminhar e trocam dois pães, cada uma fica com um pão, é pão – pão. Mas se essas mesmas pessoas trocarem ideias então partem enriquecidas e com mais ideias: tinha uma ideia, agora tenho duas, e o outro também.”

Francisco, participante num debate sobre Direitos Humanos e Cidadania em Angola

Participantes em debates sobre Direitos Humanos e Cidadania*

Horas de formação em Língua Portuguesa, Gestão e Administração Escolar e Ensino Secundário*

Jovens formados em Desenvolvimento Humano Integral*

Pessoas participaram na Caminhada pela Mudança*

* dados referentes a 2017

SOMOS INOVADORES

“Tenho direitos! Dás-me direitos?”

A série de desenhos animados “Tenho direitos! Dás-me direitos?”, realizada por Carlota Flieg, mostra-nos como as crianças têm o direito de viver com dignidade e evidencia o dever dos adultos as protegerem e respeitarem. Uma forma diferente de abordar o tema, garantido o respeito e a proteção das crianças, no âmbito de iniciativas da FEC para uma educação mais inclusiva em parceria com a Cáritas Guiné-Bissau e a Casa de Acolhimento Bambaran.

Caderno sobre Políticas de Saúde em Angola

“O CAPSA – Caderno sobre Políticas de Saúde em Angola, é um importante instrumento para ajudar na reflexão sobre o trabalho que tem sido desenvolvido na área da formação permanente dos recursos humanos, área que para o Ministério da Saúde se reveste de crucial importância, para fazermos sempre mais e melhor, com competência e de forma mais humanizada, no serviço às populações.” – Fernanda Cardoso, enfermeira e consultora do Ministro da Saúde de Angola para a área da enfermagem.

Boas práticas da Guiné-Bissau para Moçambique

Em conjunto com parceiros da Diocese de Lichinga, Leigos para o Desenvolvimento, Escola Superior de Educação de Paula Frassinetti, Misereor, Kindermissionwerk e Manos Unidas, a FEC adapta boas práticas de Educação de Infância adquiridas na Guiné-Bissau ao projeto “Othukumana – Juntos”, em Moçambique. Para além de formações em pedagogia de Educação de Infância na província do Niassa, está em curso a produção de baús pedagógicos para jardins-de-infância.

Histórias de Vida e Jantar do Mundo

O projeto aTerra tem sido tão enriquecedor que a história da vida de muitos dos que nele se cruzam deu vida a dois livros que falam das riquezas de cada um e da melhor forma de as cultivar. À mesa com o mundo – cozinhando pratos que cruzam usos e costumes – ou providenciando da mãe terra ingredientes únicos e inclusivos.

Documentários aTerra e Semear

Os documentários “aTerra” e “Semear Portugal, Semear Angola”, apresentados em 2015, inovam na forma de ir ao encontro de uma consciencialização e intervenção conjunta em prol da soberania alimentar, dentro do quadro das interdependências globais do sistema alimentar.

“Crianças com Direitos da Guiné-Bissau a Portugal”

O livro “Crianças com Direitos – da Guiné-Bissau a Portugal” reúne a recolha de sete contos de escritores dos dois países. Tendo sido concluída a sua edição em 2015, a distribuição e divulgação será parte do projeto “Crianças com Direitos”, de modo a integrar o caderno didático-pedagógico e o CD musical que o acompanha, bem como a edição da maleta com adereços para contar as histórias do livro.

CUIDAMOS DA CASA COMUM

FEC em Nairobi com a CIDSE

A 27 de novembro de 2015, a FEC integrou em Nairobi a comissão organizadora da  CIDSE na Conferência “Land Grabbing and Just Governance in Africa”, promovida pela SECAM – Simpósio das Conferências Episcopais de África. Reuniram-se cerca de 150 participantes de 40 países, onde foram apresentados 18 casos específicos, entre os quais Angola e Moçambique.

FEC marca presença na COP 21

A equidade deve estar no centro de qualquer compromisso assumido, responsabilizando os países na proporção das suas emissões e do seu consumo per capita, e apoiando os países em desenvolvimento, resolvendo assim a “verdadeira dívida ecológica” referida na Encíclica Laudato Si do Papa Francisco. Este foi o princípio norteador da posição tomada pelas organizações da CIDSE, numa declaração conjunta em Paris, durante a 21ª Conferência da ONU sobre Alterações Climáticas de 30 de novembro a 11 de dezembro de 2015.

Projeto “Juntos pela Mudança”

Num mundo onde os cidadãos são cada vez mais chamados a refletir sobre o seu papel de consumidor, a FEC pretende alertar para o enorme poder que está nas nossas mãos. “Juntos pela Mudança” dá seguimento à campanha “Mudar pelo planeta – cuidar das pessoas” da CIDSE, na perspetiva de aumentar a consciência dos cidadãos europeus para as consequências climáticas e sociais advindas das suas práticas de consumo e, assim, mudar o rumo da forma como os bens são produzidos e distribuídos.

Share This