Navegação
Relatório de Atividades | PROMOÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS EM ANGOLA
693
post-template-default,single,single-post,postid-693,single-format-standard,ajax_updown,page_not_loaded,,select-child-theme-ver-1.0.0,select-theme-ver-4.4.1,side_area_over_content,wpb-js-composer js-comp-ver-5.4.7,vc_responsive

PROMOÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS EM ANGOLA

Respeito e exercício dos direitos e deveres na sociedade Angolana

A promoção de uma sociedade mais democrática e justa em Angola é a base deste projeto que procura fortalecer o diálogo entre cidadãos e decisores públicos. Incentivando espaços de discussão a nível municipal e reforçando a capacidade de Grupos Locais de Direitos Humanos para a promoção dos Direitos Humanos nos seus municípios, tem sido possível capacitar e consciencializar vários públicos-chave (líderes comunitários, funcionários públicos, estudantes finalistas e utentes da biblioteca Mosaiko) para a necessidade de olhar e agir para alterar esta realidade na sociedade angolana.

Impacto



514 cidadãos e decisores públicos participaram em seminários de formação sobre Direitos Humanos (20% mulheres)

1100 pessoas participaram nos debates sobre Direitos Humanos e Cidadania (24% mulheres)

137 membros de Grupos Locais de Direitos Humanos participaram em assessorias sobre Direitos Humanos



83,3% dos Grupos Locais de Direitos Humanos registaram regularmente violações de Direitos Humanos

5.432 materiais gráficos sobre Direitos Humanos distribuídos

25 casos de violação dos Direitos Humanos aconselhados pelos Grupos Locais de Direitos Humanos



36 casos resolvidos extrajudicialmente e 2 recorrendo ao tribunal

173 líderes comunitários capacitados

153 estudantes do Ensino Superior de Luanda capacitados em temáticas de Direitos Humanos e Cidadania

Testemunhos

“Nota-se que até estamos a melhorar como público. Participamos mais, estamos mais à vontade para falar. Os temas são interessantes e recebo uma mensagem no telemóvel a lembrar que vai haver mais um debate”

William Lacy Swing
Jovem participante no Cidadania em Debate

“Devemos falar o que pensamos, sem ofender e com sensibilidade. No primeiro debate, com o Frei, estava também um soba e a comissão de moradores. Mas houve troca de ideias, sem ofender. O local, as pessoas que dirigem o debate, um local da Igreja Católica dá-nos segurança. Tem que ver com as instituições, o Mosaiko sabe estar no seu lugar, aqui estamos mais à vontade) (…) quando duas pessoas vão a caminhar e trocam dois pães, cada uma fica com um pão, é pão - pão. Mas se essas mesmas pessoas trocarem ideias então partem enriquecidas e com mais ideias, tinha uma ideia, agora tenho duas, e o outro também”

Francisco, Participante Debate Mosaiko

“O compromisso pessoal é muito importante, ficamos a pensar. Há um reforço do exame de consciência. Não tinha percebido antes que a violência podia ser só com palavras. Deixei de chamar a minha vizinha “Benguelense” para brincar com a sua pronúncia e passei a chamá-la pelo seu nome”

Francisco, Participante Debate Mosaiko

Onde?


Angola, regiões Uíge, Kwanza Norte e Benguela

Objetivos do Desenvolvimento Sustentável



Outras Atividades dentro do mesmo eixo estratégico