Cadafi Dias – do Crioulo ao Português

26 Mar, 2016

Cadafi Dias tem 28 anos e fala um português irrepreensível. É professor de português e um dos técnicos formadores de língua portuguesa da FEC. Natural de Cacheu, aí estudou até ao 6º ano.

Para progredir nos estudos foi para Bissau com 14 anos e ingressou no Liceu Jorge Ampa Cumelerbo. Embora frequentasse a escola pública de um país cuja língua oficial é o português, partilha que até aos 16 anos não falava nem ouvia português. Até ao 9º ano de escolaridade não sabia conjugar um verbo. A partir de 2004 começou a ouvir alguns programas de rádio, que embora falassem crioulo usavam expressões em língua portuguesa das quais ele procurava descobrir o significado e, com isto, despertou em si um interesse crescente pela língua oficial do seu país, e também por isso desejou ser jornalista.

Neste percurso e nesta vontade diz que conheceu um espaço fantástico que mudou radicalmente a sua vida. Começou a frequentar as Oficinas de Língua Portuguesa no liceu Agostinho Neto em 2007 e apaixonou-se pela língua.

As pessoas na Guiné-Bissau não leem, talvez tenhamos um dos piores índices de leitura do mundo, e porquê? Se eu leio uma coisa e não compreendo, vou continuar a ler? Claro que não… Se eu não compreendo um texto, porque quererei ler os livros de Amílcar Cabral, ler os pensamentos dele? Para que vou ler uma coisa que não percebo? E o problema de acesso a este património, a este conhecimento, está em não percebermos português. Ninguém aprende uma língua de um momento para o outro. Temos de começar já hoje e é preciso estímulo e motivação.

Diz Cadafi: “Estava inconformado com a minha situação, eu desejava falar bem português como alguém que tivesse estado em Portugal, e ‘consumia’ todos os livros, gramáticas e dicionários a que tivesse acesso. Isso ajudou-me muito. E agora, quando digo que nunca estive em Portugal, as pessoas ficam admiradas. O que me ajudou muito também foi o facto de ter entrado como colaborador das Oficinas de Língua Portuguesa e de começar a conviver informalmente com Portugueses neste trabalho.

Hoje sou formador de língua portuguesa da FEC e também professor. Exerço com muito amor e com uma dedicação imensa a profissão que escolhi porque eu sei que, despertando os jovens a falar a língua portuguesa, isso vai ajudar o meu país a ter mais acesso ao conhecimento e a crescer de forma mais justa e mais sustentável.

Hoje Cadafi é casado e sorri com orgulho quando partilha que a sua filha de 6 meses ouve português em casa. Vai proporcionar à filha aquilo que não teve quando era criança, um acesso diário à língua portuguesa.

Últimas notícias…

Como se sobrevive à pandemia nas ruas de Luanda?

Como se sobrevive à pandemia nas ruas de Luanda?

Conheça esta realidade através do documentário Nzila Ngola (Angola’s Path) que será exibido amanhã, dia 21 de outubro no Festival de Cinema da UNICEF. Este documentário conta como os vendedores de rua e as crianças lutam pela sobrevivência nas ruas de Luanda durante a...

read more