Lieve Herijgers é eleita a primeira Presidente da CIDSE

24 Jan, 2019

Lieve Herijgers, diretora da organização Broederlijk Delen, foi eleita presidente da CIDSE – Coopération Internationale pour le Développement et la Solidarité, rede que a FEC integra, no dia 23 de janeiro de 2019. A nova presidente foi eleita na reunião do Conselho de Administração da CIDSE que decorre esta semana em Haia, na Holanda.

© Broederlijk Delen

O mandato de Lieve será de 3 anos e vai suceder a Eamonn Meehan, da Trócaire (Irlanda), que foi presidente da CIDSE por 2 anos, até à sua reforma.

No nosso mundo globalizado, o velho paradigma do crescimento económico colocou a nossa casa comum em risco. Guerras, alterações climáticas e deslocações destroem a vida de muitas pessoas e em muitas sociedades, a divisão não razoável entre os que têm e os que não têm, exclui os pobres de uma vida digna e dos direitos humanos. Essas injustiças exigem uma mudança sistémica apoiada por uma rede de solidariedade transnacional. Eu vejo a CIDSE como a rede de defesa internacional católica que – em aliança com todas as pessoas de boa vontade – pode unir as suas organizações membro para conduzir as alterações necessárias a uma mudança sistémica, para que mais justiça possa ser alcançada. Como nova presidente da CIDSE, eu incentivarei a colaboração entre todos os nossos membros para influenciar ainda mais as tomadas de decisão a nível internacional e político.” disse Lieve Herijgers.

O antigo presidente, Eamonn Meehan, recebeu a nova presidente com as seguintes palavras: “Eu gostaria de parabenizar calorosamente a Lieve. O papel da CIDSE e das suas organizações membro individuais é profundamente importante no mundo de hoje. À medida que o autoritarismo se espalha, a sociedade civil global é frequentemente pressionada por governos que a consideram um obstáculo às suas políticas. Muitos ativistas pela justiça e direitos humanos são assassinados a cada ano enquanto lutam contra a opressão e a destruição ambiental. Um futuro baseado na justiça, igualdade, equidade e num Estado de direito não é garantido. Como uma rede, precisamos de ser fortes e apoiar aqueles que estão na linha da frente dessas lutas. Estes são os valores do Evangelho que estão no coração da mensagem da CIDSE.”.

Lieve, que já se tinha destacado ao tornar-se a primeira diretora da Broederlijk Delen, na Bélgica, em 2011, após 50 anos de história da organização, acaba agora de se tornar a primeira mulher a assumir o papel de presidente da CIDSE. Este é também um momento empolgante, numa altura em que toda a direção recebe mais mulheres, com novas diretoras a juntarem-se ao Conselho da CIDSE: da Trócaire (Irlanda), CAFOD (Inglaterra e País de Gales), Entraide et Fraternité (Bélgica) e da KOO (Áustria). A CIDSE vê nestas eleições um sinal encorajador para uma maior igualdade de género nas suas estruturas de liderança.

Depois de muitos anos a trabalhar com a Lieve, estamos muito animados por recebê-la como nossa nova presidente. Ela traz muita riqueza da experiência do seu trabalho na Broederlijk Delen com reflexões profundas sobre a mudança sistémica e a igualdade de género. A sua liderança guiará a rede num momento muito importante de trabalho pela justiça social e ambiental.”, disse Josianne Gauthier, Secretária Geral da CIDSE.

A par com as eleições, a CIDSE também acolheu uma nova organização membro – Vastenactie -, que eleva para 19 o número total de membros da rede. A Vastenactie é a segunda organização membro da CIDSE na Holanda, juntamente com a Cordaid. Esta nova organização traz os seus muitos anos de experiência de trabalho solidário para a rede e a CIDSE está ansiosa por toda a colaboração no futuro.

Fotografia: © Broederlijk Delen

Últimas notícias…