Viajar

4 Ago, 2018

Este Luso Fonias é dedicado às viagens. A convidada é Susana Ribeiro, autora do blogue “Viaje Comigo”, onde conta as suas viagens e dá dicas práticas a quem queira conhecer os mesmos destinos. Na entrevista de hoje, vai levar-nos a passear também pelos melhores recantos de Portugal, com destaque para a região centro.

Na opinião do P. Tony Neves – ‘Viajar rasga horizontes’

“As histórias mais belas da literatura mundial tocam em viagens. Os filmes que mais fascinam também falam de personagens que percorrem o mundo à procura da felicidade. De livros e filmes em que o viajar é protagonista eu podia apresentar uma enorme lista.
Também na vida das pessoas, o rasgo de horizontes se une à beleza das viagens que se fazem ou se sonham fazer. Não é possível perceber e beneficiar da riqueza da diversidade de povos e culturas quando se fica sempre parado no mesmo lugar.
Ser missionário é aceitar, à partida, correr este ‘risco’ de ter horizontes de vida mais alargados. Sinto-me, a esse nível, um privilegiado. Após estudos em Portugal, fui enviado a Paris. Naquele 1988-89, tive a alegria de viver o tricentenário da revolução francesa que se abriu os olhos para os tempos modernos e desafiantes que a Europa e o mundo vivem.
Depois, a minha primeira Missão, como Padre, aconteceu em Angola. Este país lusófono, grande e belo, vivia uma cruel guerra que matou o povo até 2002. Não deu para viajar muito, pois as estradas tinham minas e as emboscadas desencorajavam a circulação. Mas, mesmo com estes limites que a guerra impôs, tive a oportunidade de viver com um povo simples, corajoso, crente e com uma cultura muito própria que muito me enriqueceu. Sim, partilhar o dia a dia de um povo que tem uma cultura diferente da nossa torna-se uma riqueza enorme.
Regressei a Portugal em 1994 e, daí para cá, muitas missões aconteceram, ao perto e ao longe. Tive a felicidade de coordenar os Projetos ‘Ponte’, missões de um mês que os Jovens Sem Fronteiras realizam em Agosto num espaço lusófono, seja africano seja latino-americano. Assim, estive na Guiné-Bissau, em Moçambique, em Cabo Verde, em S. Tomé e Príncipe, em Angola e no Brasil. Ali fomos partilhando o dia a dia de gente simples e boa, nestes quatro cantos do mundo onde a língua oficial é o português. Cresci muito com esta abertura ao mundo como um espaço sem fronteiras.
Outros trabalhos missionários me levaram a outras partes do mundo. Mas, como lição de vida guardo a convicção de que quanto mais diferentes somos, mais ricos tornamos a humanidade. Tudo o que aponte para o único: partido único, pensamento único… asfixia a criatividade e mata a diferença que tem potencial para enriquecer.
Aceitemos os valores dos outros como alavanca para o crescimento de todos. Quanto mais plural for o mundo, mais condições temos para construir vidas felizes.”

Tony Neves  

Últimos programas

Como ter um sono descansado

Como ter um sono descansado

Cerca de um milhão de portugueses têm problemas relacionados com o sono, embora muitos não estejam ainda diagnosticados. O diagnóstico e tratamento destas perturbações são fundamentais para garantir a qualidade de vida e impedir que a saúde física e mental seja ainda...

Mulheres na Tecnologia

Mulheres na Tecnologia

Na passada sexta-feira, assinalou-se o Dia Mundial da Mulher, pretexto para hoje falarmos da presença feminina num mundo ainda muito dominado por homens, que é a área das tecnologias. As mulheres representam uma percentagem diminuta dos profissionais de tecnologias de...

Share This