COP25 – À procura de ambição, financiamento e Direitos Humanos

20 Dez, 2019

CIDSE

A CIDSE tinha grandes esperanças de que, após um ano de ação nas ruas e o alarme da ciência: incêndios mais extremos, secas e tempestades atingindo comunidades vulneráveis; e na linha do mote “Tempo para ação”, veríamos fortes decisões na COP25. Em vez disso, estas conversas sobre o clima seguiram o domínio do capital, bloqueando ambição e compromissos em financiamento climático. O debate sobre as regras do comércio de carbono fracassou quando países poderosos com interesses adquiridos, como Austrália e Brasil, procuraram por brechas.

É hora das nações mais ricas suportarem as suas promessas com dinheiro e ajudar os mais pobres a adaptarem-se às mudanças climáticas, abordando as perdas e danos presentes e futuros e promover a agricultura que ajuda todos a viverem suavemente na terra.

ABORDAGENS BASEADAS EM DIREITOS

Os direitos humanos devem ser explicitamente reconhecidos em quaisquer novas regras importantes (para ir além da menção no Preâmbulo do Acordo de Paris – PA). São direitos que ficam frequentemente de fora no desenvolvimento de políticas e diretrizes para a implementação do AP, como: alívio da pobreza, direitos dos povos indígenas, participação e transparência públicas, igualdade de gênero e empoderamento das mulheres, segurança alimentar, transição justa para trabalhadores e trabalho decente, justiça intergeracional e integridade do ecossistema.

Nesta COP foi feito progresso através de um programa de trabalho aprimorado sobre o gênero e o Plano de Ação de Gênero, que inclui agora linguagem a partir de abordagens baseadas em direitos.

Em outras áreas, os direitos humanos foram deixados de lado ou minimizados, especialmente nos argumentos em torno do artigo 6 sobre comércio de carbono. No entanto, eles são fundamentais para um futuro para os pobres, para as futuras gerações e, possivelmente, para a existência humana neste planeta.

OS PLANOS DE IMPLEMENTAÇÃO (POUCO) AMBICIOSOS DA ONU

Espera-se que todas as partes no Acordo de Paris apresentem planos climáticos nacionais mais fortes em 2020. Estávamos à procura de sinais de que estes seriam estabelecidos num nível consistente com a limitação do aumento da temperatura para 1.5°C. Da mesma forma, procurámos a apresentação antecipada dos planos no início de setembro, para permitir uma avaliação da ONU da diferença entre o que é prometido e o que é necessário.

Apenas alguns países aproveitaram a oportunidade para anunciar planos mais ambiciosos (veja-se Aliança de Alta Ambição). No entanto, não houve acordo sobre um prazo para envio dos mesmos, com o texto final da decisão preliminar da COP25 a dizer simplesmente: “Salienta a urgência de uma ambição mais profunda, a fim de garantir os mais altos esforços possíveis de mitigação e adaptação por todas as Partes ”.

À luz do fracasso da ambição coletiva para 2030, a UE deve intensificar seu papel de liderança climática e aumentar substancialmente a sua promessa climática para aquela data, logo no início de 2020.

FINANCIAMENTO CLIMÁTICO

Estávamos à procura de sinais de maior compromisso com o financiamento climático para 2020, incluindo um compromisso mais forte com a adaptação.

Aqui, novamente, a COP25 falhou na entrega. A decisão final simplesmente “a lembrar” o compromisso assumido pelas Partes dos países desenvolvidos com a meta de mobilizar 100 mil milhões de dólares por ano até 2020 para atender às necessidades dos países em desenvolvimento; e apelando vagamente às “entidades internacionais” para que continuem a apoiar “medidas para evitar, minimizar e abordar os impactos adversos das mudanças climáticas”.

Em particular, e em solidariedade com os mais afetados pelas mudanças climáticas, a CIDSE está profundamente desapontada por não haver compromisso com financiamento adicional e com um mecanismo financeiro para lidar com perdas e danos. Houve um progresso muito limitado na revisão do Mecanismo Internacional de Varsóvia (MIV) sobre perdas e danos, incluindo uma solicitação para esclarecer como os países em desenvolvimento podem acessar o financiamento do Fundo Verde para o Clima e outros mecanismos financeiros sob o UNFCCC e o Acordo de Paris, para abordar perdas e danos nos países em desenvolvimento devido às mudanças climáticas. No entanto, esse esclarecimento não garante que mais dinheiro seja fornecido. Também houve a decisão de estabelecer um grupo de especialistas para desenvolver um plano de ação focado para o MIV e a “rede de Santiago” para facilitar a assistência técnica e o apoio entre os países. A questão da governança para o Mecanismo Internacional de Varsóvia foi adiada para a COP26.

ARTIGO 6 SOBRE COMÉRCIO DE CARBONO

O CIDSE não defende o comércio de carbono como uma ferramenta eficaz para o compromisso nacional de reduzir as emissões. Consideramos que um artigo 6 eficaz apenas funcionaria se tivesse todos os seguintes elementos: regras de contabilidade robustas, resposta às questões de género, salvaguarda de direitos humanos, integridade ambiental, ausência de transferência de projetos de esquemas anteriores, consulta obrigatória às partes interessadas e um mecanismo independente de reporte de queixas.

À luz disso, e tendo em vista os esforços determinados por alguns países para criar brechas, incluindo a contagem dupla e a transferência de créditos do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL), congratulamo-nos com o fato de a discussão sobre o Artigo 6 ter sido adiada para a COP26. Isso dá mais tempo para estabelecer regras justas e robustas sobre o comércio de carbono – se elas alguma vez forem escritas.

Texto original por CIDSE, em https://www.cidse.org/2019/12/17/cop25-out-on-ambition-finance-and-human-rights/

Últimas notícias…

Sacos de Leitura em Moçambique

Sacos de Leitura em Moçambique

A FEC recebeu no passado dia 12 de Março, cinco sacos de leitura no âmbito de uma parceria com a Escola Portuguesa de Moçambique (EPM). O Projecto “Mabuko Ya Hina” promovido pela EPM visa a dinamização da leitura pelas escolas primárias de Moçambique por intermédio da...

read more