Querida Amazónia

14 Fev, 2020

A CIDSE – Agência Europeia de Organizações Católicas para o Desenvolvimento – junta-se ao Papa Francisco na sua mensagem pelo fim do ‘Ecocídio’ e salvação da Amazónia e do mundo.

A Exortação do Santo Padre – Querida Amazónia – recorda as mensagens da Laudato Si ‘, convidando-nos a salvar a Amazónia e todo o planeta em solidariedade e colaboração com todos os seus habitantes, através de uma conversão profunda.

A CIDSE felicita esta Exortação Apostólica Pós-Sinodal, um apelo poético para realizar mudanças radicais que permitam preservar a Amazónia enquanto fonte de vida para o mundo inteiro e ouvir e respeitar a sabedoria e os direitos dos seus povos tradicionais e indígenas. Este documento, que nos recorda da importância do Sínodo da Amazónia, sustenta o nosso trabalho na região há décadas, ouvindo a voz e as demandas das comunidades locais. Pelo seu testemunho, presenciamos a exploração das terras e recursos da Amazónia, que causam a degradação e danos irreversíveis, promovendo o “ecocídio”, as mudanças climáticas em todo o mundo e os conflitos sociais que afetam principalmente as populações locais, incluindo “a criminalização dos movimentos sociais e o assassinato dos seus líderes. ”[Cit. Documento Sínodo, Capítulo III, b].

Como afirmou o Papa Francisco, ecologia e justiça social estão intrinsecamente ligadas e a região amazónica é um exemplo claro de quão frágil esse equilíbrio pode ser. Mas isso também se aplica à região Pan-Amazónica: é um sistema mundial inteiro que permite às empresas multinacionais explorar terras e recursos sem prestar atenção suficiente às consequências para as pessoas e para o meio ambiente. A CIDSE une-se ao apelo do Papa por um novo sistema global, onde as pessoas e o planeta sejas postos em primeiro lugar.

O Sínodo da Amazónia também foi um lembrete de que as ações diárias têm repercussões a um nível global e que estamos interconectados como seres humanos através dos nossos estilos de vida e escolhas económicas. Precisamos de um sistema diferente e de melhores opções disponíveis ao nosso redor, mas, finalmente, cabe-nos a nós fazer escolhas mais corajosas sobre que tipo de produtos usar e qual o estilo de vida a adotar, tendo em consideração o impacto que os mesmos terão nas pessoas e no planeta. Todos nós precisamos realizar uma conversão integral para “um estilo de vida simples e modesto” [cit. Documento Sínodo, Capítulo I]. Citando extensivamente a carta encíclica Laudato Si’, o Papa recorda-nos que, ao fugirmos da nossa responsabilidade de agir, procuramos justificar o nosso estilo de vida atual de consumo excessivo – “Se nos detivermos na superfície, pode parecer «que as coisas não estejam assim tão graves e que o planeta poderia subsistir ainda por muito tempo nas condições atuais. Este comportamento evasivo serve-nos para mantermos os nossos estilos de vida, de produção e consumo. É a forma como o ser humano se organiza para alimentar todos os vícios autodestrutivos: tenta não os ver, luta para não os reconhecer, adia as decisões importantes, age como se nada tivesse acontecido”.

Também nos inspiramos na Igreja que é retratada pela Exortação e que o Sínodo delineou: uma Igreja humilde que se opõe à injustiça, defende os mais vulneráveis ​​e respeita a cultura dos povos indígenas enquanto rejeita uma abordagem colonialista. O extenso processo consultivo que precedeu o Sínodo, ouvindo as preocupações das comunidades e consultando milhares de mulheres e homens que moram na região, apoiou o processo do Sínodo com informações da vida real e tornou-o persuasivo e relacionável para os nossos parceiros da região.

Como organização comprometida com a igualdade de género, congratulamo-nos com o fato de muitas mulheres terem sido ouvidas nas consultas sinodais e de 40 delas terem estado presentes e ativamente envolvidas durante o Sínodo em Roma, incluindo a Secretária Geral da CIDSE Josianne Gauthier: “A maneira como nos tratamos uns aos outros está relacionada com a maneira como tratamos o planeta. Reconhecer a igualdade e a dignidade das mulheres, seja na sociedade em geral ou na Igreja, significa escolher defender a justiça para todos. Isto não é opcional”. A Exortação reconhece a contribuição inestimável das mulheres na vida da Igreja, especialmente na Amazónia, e, adicionalmente, o Papa Francisco também refere que isso exigirá mudanças nas futuras tomadas de decisão: os bispos e toda a Igreja na Amazónia e mais além são chamados a fazer propostas concretas para criar espaço e novos papéis para as mulheres.

Esta Exortação é um convite para nos familiarizarmos com as mensagens fundamentais da Laudato Si’ e reviver o processo do Sínodo, onde uma grande riqueza de poderosos testemunhos de comunidades populares foram recolhidos. Isso é muito bem-vindo num ano em que decisões cruciais terão que ser tomadas a nível global para erradicar a pobreza e parar as alterações climáticas. A Exortação dá-nos a direção a seguir para alcançar a profunda transformação necessária, partindo da Amazónia e projetando essa mudança no resto do mundo. O processo sinodal continuará e guiar-nos-á enquanto trabalhamos para transformar seus princípios em ações e apelos políticos.

Fonte: CIDSE

Últimas notícias…

Moçambique – Formação de Formadores em Lichinga

Moçambique – Formação de Formadores em Lichinga

De modo a garantir a sustentabilidade do projeto Othukumana – Juntos II, realizou-se, no mês de fevereiro e início de março, a formação de formadores, na cidade de Lichinga. Participaram dois formandos de cada um dos Jardins de Infância de Lichinga envolvidos no...

read more